Um dos principais públicos do blog ParaSerPiloto (antigo ou atual) é o de pilotos “fazendo hora” – que em inglês é um termo muito mais elegante: timebuilders. Agregar experiência de voo é, foi, e sempre será um desafio na aviação, seja no Brasil, seja onde for, pois o “efeito Tostines* ao contrário” sempre acontecerá: o piloto pouco experiente tem dificuldade para encontrar oportunidades para voar devido à sua pouca experiência; e devido a esta dificuldade, é difícil para ele deixar de ser pouco experiente.

*Obs.: vide vídeo acima do comercial original do biscoito que não se sabe se vende mais porque está sempre fresquinho, ou se está fresquinho porque vende mais.

A maneira mais usual de timebuilding é a instrução básica: checar a carteira de INVA ou INVH e conseguir um emprego como instrutor de voo em algum aeroclube ou escola de aviação. Mas, com alguma criatividade, também é possível obter algumas horinhas de voo de outras maneiras, como a explicada no final deste excelente artigo da Flying Magazine – “Aviation Carreers” (que vale e pena a leitura integral!):

Anos atrás, eu criei um panfleto que colocava na porta de aviões que eu sabia que não estavam voando recentemente no nosso aeroporto. E me oferecia para voar a aeronave uma ou duas vezes por mês para o proprietário. Eu falava para eles que se o avião voasse pelo menos uma hora ou duas por mês, isso ajudaria a manter o motor em bom estado. Às vezes, eles me pagavam por isso, às vezes, não. Mas os proprietários pelo menos cobriam os custos dos voos, e eu anotava as horas para mim.

E você? Conhece alguma outra maneira criativa de timebuilding? Compartilhe conosco!