Dizem as “más línguas” que meu plano de sustentação (dianteiro), me faz parecer um bagre.

O barulho dos meus propulsores – bem característicos por sinal – é uma sinfonia para quem gosta.

Quem sou eu?