Já conhecemos as diversas opções de treinamento com simulação de voo, mas como você poderia praticar fonia da forma mais real possível? Trago uma dica para isso na coluna hoje. Aproveite!

“Você manda bem no rádio hein? Caramba acho que você fala melhor do que eu… Como você já sabia fazer fonia?” dizia meu instrutor de voo ao final do primeiro ou segundo voo do PP.

Embora também enfrentasse dificuldades básicas tipo taxiar, manter altitude ou cumprir checklists, eu realmente tinha um “segredo” que me dava um domínio avançado de fraseologia para alguém nessa fase inicial da formação.

Digo “segredo” porque sempre notei que era olhado com um certo “ar de desconfiança” por pilotos quando mencionava meu envolvimento com a aviação virtual. Por vezes deixava isso fora das conversas para evitar aquele pensamento “lá vem um garoto achando que sabe voar Boeing 737 porque tem FSX em casa”.

Sei que não é todo mundo, mas muita gente tem uma visão errada da coisa toda. Dos dois lados! Há simuleiros que não reconhecem os desafios e profundidade envolvidos em um voo real que podem nunca ser reproduzidos no ambiente virtual e há pilotos que não entendem os benefícios de utilizar equipamentos de simulação para se aperfeiçoar ou manter proficiência.

Desmistificado o uso de simuladores, quero chamar sua atenção aqui para um recurso muito interessante para exercitar a sua comunicação piloto-controlador em casa: as redes de simulação de voo com controle de tráfego aéreo virtual.

Desde 2006 sou membro da VATSIM (Virtual Air Traffic Simulation Network) que é uma rede mundial de treinamento para simulação de voo e controle de tráfego baseada em simuladores de voo para computador pessoal (Microsoft Flight Simulator, Laminar Research X-Plane e Lockheed Martin Prepar3D) e softwares próprios de “radar”.

Basicamente é uma comunidade que soma mais de 200.000 membros no mundo, à qual você pode se filiar gratuitamente para obter treinamentos e realizar voos virtuais com controle de tráfego aéreo online provido por outros membros. Se fizer os processos necessários você também pode exercer o papel de controlador.

Como o ambiente é mundial, há representações locais em várias partes do mundo. Fui diretor da divisão brasileira por 2 anos, a qual existe desde 2001 e chegou a somar mais de 5.000 membros. Você pode ensaiar na rede um voo que precise fazer nos EUA, por exemplo. Ou na China. Você será controlado por americanos e chineses respectivamente. Alguns são até pilotos ou controladores reais (é muita paixão pra ter como hobby o próprio trabalho né?).

Esse pessoal se reúne e você pode achar gente que topa ficar trocando frases simulando os diálogos entre controlador e piloto só para praticar, seja no voo virtual ou fora dele.

Como sempre gostei de conhecer bastidores, logo que entrei na comunidade me inscrevi nos treinamentos para prestar o serviço de controle de tráfego na rede. Ali aprendi por exemplo que as premissas do ATC são: 1) segurança, 2) ordenamento e 3) fluidez. Informação que só encontrei anos mais tarde nas fontes oficiais lendo o AIP-Brasil (GEN 3.1 e 3.4.1) e nunca fui apresentado nos cursos como piloto.

Na VATSIM aprendi sobre plano de voo de uma forma que também não vi em nenhum curso de piloto até hoje. Vamos fazer um exercício prático para exemplificar:

Você é o controlador da posição “tráfego” (clearence delivery) em Guarulhos nesse momento e começa a ouvir pilotos te chamando para aprovação de plano na sua frequência, 121.000. Analise os planos de voo a seguir e decida se poderia aprová-los. Valendo!

  • PSP001 | IFR | DEP: SBGR | ARR: SBGL | ALT: F360 | ROUTE: GENKO UZ42 ESORU
  • PP-PSP | VFR | DEP: SBGR | ARR: SBMT | ALT: A055 | ROUTE: DCT
  • PT-PSP | VFR | DEP: SBGR | ARR: SBRJ | ALT: A155 | ROUTE: REA
  • PSP003 | IFR | DEP: SBGR | ARR: SBCT | ALT: F260 | ROUTE: SCB UM792 ORANA

Para aprovar os planos acima você precisa avaliar: formato de apresentação, regras de altitudes e proas, rota, etc. Como ATC você precisaria ainda coordenar pista em uso, procedimento de saída, código transponder entre outras coias.

Ok, analisou e decidiu? Vamos pra fonia agora… Já imaginou fazer a fraseologia de autorização desses 4 voos em menos de 5 minutos? Isso sem falar em instruir correções necessárias como se fosse a sala AIS (tem plano errado nessa lista).

Enquanto pilotos estamos acostumados a voar o nosso avião, fazer o nosso plano de voo e cotejar a nossa autorização de voo. Quanto você pagaria por hora para fazer um voo real de instrução passando essa fonia apenas uma vez? Imagine se em uma hora de treinamento virtual você fizer só a fraseologia de autorização 15, ou 20 vezes. Seu domínio sobre a fonia não seria maior?

Há diversos artigos provando que o uso de PCTD (Personal Computer Training Devices) em casa é muito efetivo para ajudar a manter nossa proficiência. Realizar voos virtuais contribui para a consciência situacional nos voos reais e permite exercitar ações que não são possíveis ou seguras no voo real. Além disso é muito barato.

Claro, não estou dizendo que os dispositivos domésticos eliminam os benefícios das plataformas mais completas de treinamento disponíveis nas escolas, mas tenho certeza que você e seu instrutor disfarçadamente cortaram várias partes da fonia no treinamento. Tente lembrar de você trocando entre as frequências de APP, Torre e Solo e falando com o seu “instrutor/ATC” enquanto treinava um procedimento ILS por exemplo.

Para quem tem mais vergonha ou dificuldade, fazer um voo em um ambiente como o da VATSIM permite que você fique mais à vontade já que todo mundo está lá para aprender. Dá para falar e voar por horas já que não há custo. Errar não vai lhe render um acidente aeronáutico ou uma infração de tráfego. E se você quiser se desafiar ainda pode tentar se tornar controlador virtual.

Voltando ao voo que relatei no começo deste texto, embora eu estivesse entre minhas primeiras horas de voo, meu repertório fraseológico acumulava cerca de 700 horas no voo virtual online e outras 400 só como “controle São Paulo”. Sabe quanto paguei por isso? Pois é: nada.

Se você tiver tanta vergonha que não queira treinar nem mesmo entre os entusiastas de uma rede como a VATSIM, você pode ampliar seu repertório fraseológico lendo a última versão da MCA 100-16 ou acompanhando um pouco das fonias no Brasil pelo LiveATC.net. Fora isso assumo, eu falava sozinho umas vezes para aprender a sequencia de cotejamento (já leu o artigo CRAFT do Beto Arcaro? Aprendi sobre isso na VATSIM em um estágio de controlador virtual em Houston).

Este artigo do Raul sobre o FAA Safety Briefing de Novembro-Dezembro/2017 aponta um artigo de Jennifer Caron com dicas para “PTTfóbicos” incluindo a VATSIM e outros recursos.

*O vídeo no início deste post é um resumo de um evento realizado pela VATSIM no Reino Unido, as imagens são aceleradas (timelapse) e mostram a tela radar com os tráfegos virtuais, cada avião é um simuleiro treinando em sua casa em algum lugar do mundo naquele dia.