O portal da EJ Escola de Aeronáutica Civil publicou ontem "a história do taxista do aeroporto de Guarulhos que vai pilotar aviões no aeroporto de Guarulhos", sobre a trajetória profissional do Cmte Renato Campos, ex-mecânico da FAB que se tornou piloto, foi voar na aviação geral, depois passou anos trabalhando como motorista de táxi, retornou para a aviação como instrutor de voo na EJ, e agora está ingressando na Latam, como copiloto de Airbus 320, aos 40 anos.

"Ah, mas ser piloto é coisa prá filhinho de papai rico!"

"Ah, mas o mercado é muito difícil, praticamente impossível de entrar sem ter costas quentes..."

"Ah, mas nenhuma companhia aérea contrata piloto depois dos 30 anos!"

Pois é, né... Tem gente que tem sorte...

Sorte de ser persistente, e não desistir mesmo enfrentando grandes dificuldades:

A paixão de Renato por aviões não começou quando atuava como motorista de taxi. Ele já era piloto comercial, e por infortúnios da vida, havia perdido um emprego onde voava um Embraer Tupi, monomotor de quatro lugares, em Mato Grosso, para um fazendeiro. “Quando eu voltei, e era uma época que não tinha emprego para piloto, e eu era casado, tinha filho, eu tinha que fazer alguma coisa, tinha que fazer algo para poder ter renda”, afirma. “Foi época da Vasp e Transbrasil falindo, tinham muitos pilotos desempregados”.

E sorte de compreender que é necessário ter muito mais que os "mínimos" para realmente ter chances no mercado, e que um piloto pode "fabricar seu próprio QI":

Enquanto estava temporariamente de motorista, seu pensamento em aviação não parou. Renato estudou para fazer faculdade Ciências Aeronáuticas na Anhembi Morumbi, onde conheceu instrutores da EJ. Lá ele vislumbrou a possibilidade de voltar aos voos. Em uma época também de contratações rápidas para companhias aéreas, faltavam instrutores e a EJ abriu a possibilidade de exceção para Renato tornar-se instrutor apenas fazendo o curso de INVA, instrutor de voo de avião, na escola.

Na EJ, Renato Campos atuou como instrutor por cerca de 4 mil horas de voo onde ministrou aulas de voo em todos os modelos da frota da escola.

Parabéns pela sua sorte, Renato! Quando você voltar do Chile, vamos conversar pessoalmente! Acho que você tem muito a contribuir com os futuros pilotos do Brasil. Principalmente ensiná-los sua simpatia para tirar o azar!