[Artigos originalmente publicados no blog ParaSerPiloto:

  • “Aviação agrícola: uma história de lutas e conquistas” em 22/07/2013; e
  • Portal Agronautas: “CAVAG – História da formação de pilotos agrícolas no Brasil” em 19/02/2015.]

“Aviação agrícola: uma história de lutas e conquistas”

Quem se interessa por aviação agrícola não pode deixar de ler esta matéria publicada no “O Jornal” de Mato Grosso – “Aviação agrícola: uma história de lutas e conquistas” [a matéria já não se encontra mais no portal do jornal indicado, mas pode ser acessasa no portal do SINDAG, para onde o link acima está direcionado]. Além de informar sobre o trâmite da proposta de revogação do veto à aplicação de determinados agrotóxicos, que avançou no Congresso, ela traz outras informações muito interessantes sobre a aviação agrícola, como a sua história resumida, que eu reproduzo abaixo:

HISTÓRIA AVIAÇÃO AGRÍCOLA NO BRASIL

No Brasil, a Aviação Agrícola iniciou-se em 1947, devido ao ataque de uma praga de gafanhotos na região de Pelotas, Rio Grande do Sul, onde foi realizado o primeiro voo agrícola no País, no dia 19 de agosto daquele ano, com a Aeronave MUNIZ, modelo M-9, biplano de fabricação nacional, prefixo GAP, monomotor de 190 HP, autonomia de voo de 4 horas, equipada com depósito metálico, constituído em dois compartimentos em forma de funil e dosador próprio, controlado pelo piloto com capacidade de carga de, aproximadamente, 100 kg, tendo ainda o apoio técnico do Engenheiro Agrônomo Leôncio Fontelles, na aplicação de BHC. Este dia foi instituído como o Dia Nacional da Aviação Agrícola, e o piloto civil Clóvis Candiota, que realizou o voo, é considerado o Patrono da Aviação Agrícola

Para quem se interessa por aviação agrícola, recomendo uma visita a este artigo do Portal Agronautas: “CAVAG – História da formação de pilotos agrícolas no Brasil“ [infelizmente, o portal citado encontra-ae desativado, mas o relatório a seguir está salvo no acervo do blog ParaSerPiloto], de autoria do Eng.Agrônomo Eduardo C. de Araújo – que também pode ser visualizado em formato pdf, obtido neste link: Relatório CAVAG Portal Agronautas (Versão #2).

Há diversas informações interessantes e curiosas no artigo, como o fato de o início do CAVAG se dar no Ministério da Agricultura, e não no DAC ou em algum órgão da aviação, como seria de se esperar. Mas o fato que mais me chamou a atenção foi a informação revelada por este gráfico:

grafico cavag2

Não há referência explícita quanto a isso, mas acredito que os números de 2014 não estão completos. De qualquer modo, é nítido que, a partir de 2011, o número de novos pilotos habilitados para a atividade aeroagrícola explodem. E por mais que a atividade aeroagrícola tenha se mantido em alta no período – fruto do sucesso do agribusiness brasileiro – tenho dúvidas se esta alta tenha sido proporcional ao volume de novos PAGRs formados. Algo me diz que a proporção é desfavorável para o mercado de pilotos.

Comentários da época

“Aviação agrícola: uma história de lutas e conquistas”

augustogentile

5 anos ago

Deixo aqui meus parabéns ao Cmte. Prado, instrutor de Jet e Cmte. TAM que propôs aos políticos da época a criação desse dia!

Portal Agronautas: “CAVAG – História da formação de pilotos agrícolas no Brasil”

  1. Eduardo Araujo

    3 anos ago

    Prezados
    Grato ao “paraserpiloto” pela referência.
    “Garimpar” dados estatísticos sobre aviação agrícola é complicado pois os órgãos reguladores ANAC e MAPA não mantém uma sistemática de registro. Assim, para elaboração do levantamento a que se refere o presente artigo – cuja divulgação agradecemos-, temos que nos valer de vários depoimentos pessoais, dados avulsos, divulgações em palestras etc. No caso dos 20 formados em 1983 a que se refere o Fábio, a informação foi extraída de apresentação feita pelo MAPA na UNESP em 2000. Vamos checar.
    Como todo levantamento deste tipo, está sujeito a alterações que o aperfeiçoem e toda contribuição é bem-vinda. A propósito, já existe uma nova edição (versão 2.0) que pode ser acessada através do mesmo link acima. Entretanto, o arquivo PDF a que conduz o segundo atalho está desatualizado, assim como o gráfico, ambos relativos à versão 1.0. Sugerimos atualizá-los com a versão 2.0. A nova versão mostra que, até dezembro de 2014 haviam sido formados mais de 3.000 pilotos agrícolas
    Agradecemos a divulgação.

  2. Fábio Otero Gonçalves
     3 anos ago

    Curioso o número 20 no ano de 1983, já que – segundo o CENEA (Centro Nacional de Engenharia Agrícola do Ministério da Agricultura) / Fazenda Ipanema – o XVII CAVAG foi o único ministrado naquele ano e éramos (fora os eliminados na primeira fase) apenas 19 aviadores: 14 gaúchos, 2 baianos, 2 paulistas e um paranaense. Me pergunto quem teria sido o “avulso”…

    • Marcos Véio
       3 anos ago

      Algum “holy cow” meu caro conterrâneo.