[Artigos originalmente publicados no blog ParaSerPiloto:

  • Compensa ser piloto? em 04/09/2011;
  • Jack, o investidor desapaixonado em 27/03/2012; e
  • Seja piloto e tenha o “retorno do investimento” em menos de um ano – mais informações com a TV RBS em 25/06/2015.]

Compensa ser piloto?

Já recebi dezenas de mensagens perguntando se “compensa ser piloto”. Na maior parte das vezes, são pessoas em dúvida entre prestar um concurso para fiscal de rendas, abrir uma franquia no shopping, ou pagar um curso de pilotagem. Dificilmente, uma pessoa que realmente quer ser um aviador pergunta se compensa…

Ocorre que, por conta do aquecimento da economia brasileira nos últimos anos, da popularização das viagens aéreas, e da balbúrdia em torno da Copa e das Olimpíadas [o artigo é de 2011, lembrem-se!], muita gente está querendo “aproveitar a oportunidade” e ser piloto. Eu não posso reclamar por estar me formando aviador num momento favorável para a aviação como o atual, mas quando decidi iniciar meus estudos de pilotagem, o Brasil estava no início da crise dos subprimes, a aviação estava andando de lado, e a Copa e as Olimpíadas ainda não estavam anunciadas para acontecer no Brasil. Comecei tarde, com 40 anos, porque fui mal orientado (na verdade, “desorientado”, quando era mais jovem), e porque só nessa idade reuni condições e apoio para perseguir meu sonho – não para “aproveitar a oportunidade”.

Minha vontade é responder aos que me perguntam se compensa ser piloto que não, não compensa, é melhor prestar um concurso ou abrir uma franquia . Nunca fiz isso em respeito ao leitor legitimamente interessado, que pode se desinteressar pela carreira ao ler uma coisa dessas partindo de mim.  Quando tinha 15 anos e tentei entrar na Escola Preparatória de Cadetes do Ar, fui esculhambado no exame médico de tal forma (por causa de minha hipermetropia e do meu astigmatismo), que demorei 25 anos para readquirir a confiança para tentar ser aviador. Não quero ser a reencarnação do maldito oftalmologista que me reprovou na EpCAr. Mas que dá vontade, dá…

Bem, mas estou me distanciando do objetivo deste post. Tudo isto é para recomendar a leitura de um texto publicado no blog do Luiz Corrêa, “Para voar ou pilotar: ‘Chauffeur’ ou Aviador?“. Se você está em dúvida se compensa ser piloto, não deixe de ler.

Para voar ou pilotar: “Chauffeur” ou Aviador?

É comum nos sites ou pessoalmente as seguintes perguntas:

a) Quero saber quanto ganha um aviador (dizem piloto*), para saber se eu quero ser…

b) É difícil ser “piloto” ?

c) “Compensa” ser piloto ?

Minhas respostas costumam ser:

a) Um aviador ganha menos do que você gostaria ou acha que merece, porque quem costuma perguntar quanto ganha para exercer uma atividade profissional, geralmente passa a vida toda reclamando. Acha que o salário é baixo e por isso não se esforça. Daí torna-se um profissional mediano ou sofrível, e o seu salário sempre fica abaixo da média e costuma encabeçar as listas de demissão. No caso da aviação, nos primeiros vôos de avaliação e reavaliação (denominamos cheques e recheques), costuma ser “aprovado nos mínimos”. Os colegas ficam “ariscos” (muito atentos) quando vão voar com eles. No cheque de promoção para comandante em uma empresa de linha aérea regular, costumam ser reprovados, e transformam-se em primeiros oficiais ou copilotos contestadores e sabichões. Na primeira oportunidade, entra com uma ação judicial contra a empresa sua empregadora, para de voar e vai tentar recomeçar em outra profissão. Costuma declarar que não teve sorte. Isso quando não se envolvem em algum acidente aeronáutico;

b) Se você busca fazer algo porque é fácil, não terá sua atividade profissional prestigiada e nem remuneração diferenciada. Se fosse fácil, não precisaria ter treinamento, cursos, avaliações… Se está temendo dificuldades, melhor desistir antes de começar. Viver é difícil ! Mas para quem gosta e quer, consegue superar as dificuldades !

c) Ser aviador compensa ! Compensa para quem gosta de estudar manuais imensos; para quem vai fazer uma decolagem sabendo que um segundo pode ser muito tempo e lhe custar a vida; Compensa para quem não liga de acordar de madrugada e ver o sol nascer pelo parabrisas do avião, ferindo seus olhos a ponto de causar sensação de que estão cheios de areia;

Compensa para quem gosta do cheiro de querosene queimado, de ruidos altos e vibrações constantes; De trabalhar ao lado de uma janela constantemente gelada a ponto de te doer o ombro, caso resolva relaxar e nela se apoiar; compensa para quem acha importante confiar em instrumentos para achar uma pista molhada à sua frente, sabendo que sua decisão de pousar ou arremeter, a 60 metros ou menos de altura não pode ser retardada nem um segundo por hesitações. Compensa ser aviador, médico, engenheiro, advogado, empresário ou policial ! Basta gostar !

Finalmente, para alegria de todos, informo que absolutamente tudo a respeito de aviação está publicado em legislações facilmente encontradas nos sites especializados, gratuitamente. Também vários blogs como o meu, sites e reportagens (ressalva: cuidado com matérias escritas por jornalistas – costumam ser poéticas, dramáticas, e fantasiosas). Leia informações em sites de aviação, não da imprensa em geral. Assim, você poderá saber como é ser aviador.

Jack, o investidor desapaixonado

Recebi um e-mail (com o texto copiado abaixo) de um leitor que chamarei aqui de JID-“Jack, o investidor desapaixonado”, porque sua abordagem sobre a aviação não é focada na “paixão por voar”, e sim econômica. Os JID’s costumam despertar a ira nos comentários do blog, pois muita gente os vê como oportunistas, ou pior, como “profanadores do altar de Santos Dumont” ou algo assim. Eu não os vejo desta forma, sinceramente.

Primeiro, porque não acho que a “paixão por voar” seja, por si só, um bom motivo para alguém se tornar piloto – haja vista meus comentários aqui. Na verdade, a “paixão por voar” pode até atrapalhar a carreira de piloto, uma vez que o apaixonado pode fazer qualquer coisa pelo seu objeto de desejo (no caso, voar), inclusive se prostituir no mercado de trabalho, prejudicando toda a categoria. Segundo, porque os JID’s são, na realidade, desinformados quanto às questões econômicas da profissão de piloto. Se analisarem economicamente a questão quanto ao valor do “investimento” versus a “rentabilidade”, mais os “riscos associados” (de não conseguir emprego, de perder o CMA, etc.), eles irão perceber rapidamente que ser piloto é uma grande roubada em termos econômicos.

Mas vamos responder ao e-mail, que a gente fala mais sobre o assunto.

Diz o leitor:

Sempre desejei ser piloto, porém, acredito que em razão da minha idade (38), o mercado está um pouco afunilado.

Mas, a minha principal dúvida é: quanto gasterei para os cursos PP e PC, em média.

E para ser franco, vejo o setor aéreo nacional como um segmento muito volátil… e tenho receio de investir uma grana e não ter o retorno posteriormente.

Mas, digamos que eu consiga concluir o curso (pp e pc)  em + – 1 ano e meio; estaria contando com + – 150 hs de voo. Honestamente, pelo o que vc tem conhecimento vc acha que conseguiria emprego em alguma cia de taxi aéreo?

Bem… O mercado não está “afunilado” para você, aos 38 anos, não. Formando-se aos 40, como é sua expectativa, você estará apto a disputar qualquer vaga em qualquer emprego de piloto. A única exceção seria a TAM, que é mais restritiva quanto aos quarentões, mas a tendência é que mesmo ela afrouxe seus critérios. Na verdade, para a aviação executiva, sua idade é até positiva, como canso de falar aqui. Então, quanto à idade, fique tranquilo, isto não será problema para você.

Aliás, falando em assunto já abordado neste blog, o custo da formação aeronáutica é outra coisa que já cansei de explicar aqui.

Sobre o setor aeronáutico ser muito volátil, você não poderia estar mais certo. E seu receio tem todo o fundamento. Não caia nesse papinho de “apagão de pilotos” que você se estrepa!

E, para finalizar, é o seguinte: honestamente, eu acho que você consegue um emprego num táxi aéreo após formado, sim – eventualmente, até uma colocação na comercial, dependendo dos humores da aviação no momento. Pode demorar um pouco, talvez você tenha que ralar por aí um tempo, dando instrução, voando de graça, etc, mas dá sim. A questão é outra: “vale a pena”?

Eu já te falei como fazer para saber o custo da formação; agora veja o valor aproximado dos ganhos de um piloto neste post aqui, e tire você mesmo suas conclusões, baseado no que você ganha hoje, no seu emprego atual. Verifique se haverá incremento de renda, e se houver, de quanto ele será. Eu não sei quanto você ganha hoje, mas se sua renda atual for suficiente para você juntar o dinheiro para pagar sua formação de piloto, acho difícil que essa conta feche – ou seja: em termos estritamente econômicos, não deve valer a pena investir o montante requerido para a formação aeronáutica para obter, em retorno, o eventual incremento de renda que a profissão de piloto poderá lhe proporcionar.

Agora, vejamos o peso que tem sua afirmação inicial – “sempre desejei ser piloto”. Quanto vale para você realizar esse desejo? Isso só você poderá responder…

Seja piloto e tenha o “retorno do investimento” em menos de um ano – mais informações com a TV RBS

A TV RBS, afiliada da TV Globo no Rio Grande do Sul, veiculou ontem uma matéria impressionante no seu Jornal do Almoço: “Profissão de piloto de avião garante retorno do investimento em menos de um ano“. Uau! Vocês viram o verbo usado: “garantir”! Eles nem dizem que você pode conseguir – que isso é coisa para os fracos -, e já partem para a garantia logo de uma vez! E que tal a menção ao “retorno do investimento”? Se você tem R$60mil, então invista num aeroclube, e obtenha 100% ao ano de retorno! Mesmo com a alta dos juros, qual o banco que oferece essa taxa?

Agora, imaginem vocês se os pilotos de avião tivessem o mesmo nível de profissionalismo e seriedade que esses jornalistas responsáveis pela matéria acima citada, o caos que estaria na aviação…

Comentários da época

Compensa ser piloto?

Gabriel Ribeiro – 14/09/2014

Raul,ano passado eu reprovei no teste físico da EPCAr pois eu estava doente,e não consegui me recuperar até a data do recurso.Desde então,decidi que vou investir nos cursos de PP e PC,que são a minha verdadeira paixão.
Gostaria de saber se você acha melhor eu já começar investindo na aviação com 17 anos de idade ou antes da aviação,cursar uma faculdade.Estarei no aguardo e desde já agradeço.

  • Raul Marinho – 15/09/2014

Para responder isso, precisaria de muito mais informações. Não há uma resposta padrão.

Anselmo Pereira Jr – 07/10/201

Também tive o mesmo escroto , mas na AFA, por causa do problema de visão também (Hipermetropia e Astigmatismo). É revigorante saber que mais pessoas passaram pelo que passei, e não desistiram! Estou muito apreensivo com o CMA, afinal também tenho esse trauma! Tenho 25 anos hoje, e acabo de terminar meu teorico de PP! Meu sonho não pdoe ficar pra trás, por conta de alguém imbecil! O brigado pelo post, me ajudou muito, em relação a relaxar pro exame!

Carlos – 26/04/2013

Eu tenho miopia posso ser aviador 3 graus! ?

  • Raul Marinho – 26/04/2013

    Se vc enxergar bem com óculos, sem problemas.

Vladney – 05/04/2012

Meu!
Estoria parecida heim!
Tbm fiz a prova pra epcar e rodei em matematica ;/
E me distanciei do sonho, mas agora com 24 estou tentando ir atrás dele de novo!
Obrigado pelas dicas!

Fellipe – 25/11/2011

Olá Raul, muito interessante os artigos do seu blog.
MInha dúvida é o seguinte:Pretende fazer o Curso para Piloto de Helicóptero, mas tenho condições de fazer até 4, 5 horas de voo por mês, você acha uma frequencia de horas muito fraca durante o mês, ou dá para fazer o curso tranquilo?
Muito Obrigado.

  • Raul Marinho – 25/11/2011

Felipe, fazendo os voos nesse ritmo, vc voa as 100h do PPH+PCH em 20 meses, 25 no máximo. Contando com o que a ANAC vai te atrapalhar, vc termina tudo em menos de 3 anos. Eu acho razoável, mas é vc que tem que achar se está dentro das suas expectativas ou não…

tadeuprimo – 21/11/201

Se a pessoa se pergunta se compensa, possivelmente não está fazendo por amor a profissão.

Arthur – 09/09/2011

Pois é Raul, as vezes tenho esta vontade também.
Complementando, permita-me indicar outro link, com origem no mesmo blog.

http://anacsgso.blogspot.com/2011/08/poema-e-realidade.html

Abraço!

Jack, o investidor desapaixonado

  1. Tá difícil

    5 anos ago

    A qualquer preço? Voaria por um prato de comida?

  2. Fred Mesquita
     6 anos ago

    O custo real para ser um piloto pode aumentar muito quando se vê, mais à frente, aqueles que sempre falam ser “apaixonados pela aviação” pois é esse que mais atrapalha quem quer batalhar um emprego na aviação. Como o post mesmo fala: “…a paixão por voar pode até atrapalhar a carreira de piloto, uma vez que o apaixonado pode fazer qualquer coisa pelo seu objeto de desejo (no caso, voar), inclusive se prostituir no mercado de trabalho, prejudicando toda a categoria – essa hoje em dia é o maior câncer na aviação – pessoas que entram no mercado sem respeitar quem já está nela.

  3. Eduardo Ruscalleda
     6 anos ago

    Para mim hoje ser piloto vale tudo! No começo tive preocupações salariais, de aptidão, capacidade e tudo o mais… Mas agora digo apenas que quero estar no ar, a qualquer preço!

Seja piloto e tenha o “retorno do investimento” em menos de um ano – mais informações com a TV RBS

  1. Adriano

    2 anos ago

    171 danado

  2. Francisco Souto
     3 anos ago

    Não esquecerem de fazer uma autoanalise entre ser “piloto por ideal” ou simplesmente “piloto por conveniencia”! No caso, por conveniencia, os riscos pessoais aumentam e muito!

  3. Fred Mesquita
     3 anos ago

    A TV Globo de Recife fez o mesmo ha uns tempos atras… https://www.youtube.com/watch?time_continue=12&v=Dv58SUVP-gY

  4. Marcos Véio
     3 anos ago

    Mas a reportagem está certa. Se tudo der certo, incluindo aí, conseguir um emprego, que na minha opinião é a etapa mais difícil nos dias de hoje – o cara recupera rápido o investimento. rsssss

  5. Angelo
     3 anos ago

    kkkk palhaçada!!!!, hj tem tantos pilotos parados sem emprego e os caras fazem uma reportagem dessas

    • Marcello
       2 anos ago

      Concordo com você, não sei de onde tiram tantas bobagens depois induzem as pessoas as garyar numa coisa, difícil de retorno,alias até de conseguir emprego.

  6. samuel
     3 anos ago

    Sem noção nenhuma, como uma pessoa dessa, pode exercer o jornalismo? mais no minimo, deve ter sido paga por alguma escola , ou aeroclubes da região, essa é o tipo da reportagem paga…. pra ser feita..

  7. vladimir
     3 anos ago

    PORTAGEM IRRESPONSAVEL E INCONSEQUENTE! Jornalista sem noção e totalmente despreparado!

  8. Leandro Willian Oliveira
     3 anos ago

    E infelizmente acontece, todos que passaram pelo processo de aprendizado ou que estão, que é o meu caso, sabem que os R$60.000,00 mencionados pelo piloto na reportagem são insuficientes para checar o CAVAG.

  9. Leonardo Pigozzi
     3 anos ago

    Muitos “não amantes” da aviação, infelizmente, são levados a esse mundo por essas reportagens sem noção!

    • Alexandre
       3 anos ago

      Verdade. Quem sempre gostou da aviação, pesquisa, sabe como é o mercado, e em muitas vezes, acaba fazendo os cursos por realização pessoal, mesmo com todas as adversidades. Em 2011, na época das várias reportagens sobre o “apagão de pilotos”, um aluno no 1° dia de aula da faculdade se mostrou surpreso ao saber da necessidade da realização das horas de voo para ser piloto. Diversas pessoas demonstravam nitidamente que só tinham chegado ali porque propagandas como essa foram o combustível incentivador, tanto por parte de panfletos ou sites de cursos, como de canais independentes de jornalismo.

  10. Francisco
     3 anos ago

    KKKKK…. só rindo mesmo.