Na 3a. feira, 1° de maio, ocorreu um acidente com um monomotor Pilatus em Ubatuba. Os fatos estão na imprensa – vide esta reportagem do G1 -, e o que se sabe de relevante é que não houve vítimas fatais dentre os 10 ocupantes da aeronave, cuja situação perante a ANAC estava regular. Também se sabe que a tripulação estava regularmente habilitada e que “o piloto disse que o avião teve um problema na tração das hélices e, por isso, perdeu altitude” (texto retirado da matéria do G1).

Fora isso, o que se pode dizer? Bem… Se você for um aviador, pode seguir o exemplo do Cmte Flemming, que publicou este texto no Facebook – em minha opinião, perfeito:

Um Pilatus, que ia de Angra pra Marte, no início da noite de ontem, terminou seu voo em Ubatuba. Varou a pista e sofreu um acidente.

Li muita besteira por aí.

Amigos me explicaram que houve uma pane crítica. O voo acontecia no lusco-fusco e a camada estava baixa.

Uma pane cabeluda diminuiu o passo da hélice e forçou a tripulação do Pilatus a tentar um pouso forçado em Ubatuba.

Sem potência, só resta pousar.

Descobri o telefone do comandante do voo e liguei pra ele parabenizando pelo trabalho que fez.

Não perguntei nada. Isso é papel do CENIPA.

Acredito que quem passa por um sufoco desses precisa de um abraço e apoio.

Bons voos pra gente.

Flemming

Parabéns, Ruy!