No último final de semana, ministrei uma aula sobre SRM-Single Pilot Resource Management no Aeroclube Regional de Maringá, graças a uma parceria entre a instituição e o IPSP – evento, aliás, cujo convite encontra-se publicado aqui. Reservamos uma tarde para falar do assunto, e eu, além de apresentar o conteúdo relacionado ao tema, também fiz questão de estimular a troca de ideias e experiências por parte de todos os presentes, a fim de enriquecer a discussão.

O curso contou com a presença de pilotos da aviação geral da região, além dos próprios instrutores do Aeroclube. Também participaram da aula alguns alunos do curso de piloto comercial. O conteúdo da aula foram os assuntos que abordei aqui no blog desde que comecei a coluna “Safety Tips”: falamos sobre consciência situacional, briefing e debriefing, tomada de decisão, automação, carga de trabalho, risco, atitudes positivas e negativas, etc.

Foi interessante observar como a grande parte dos participantes já conhecia alguns dos tópicos do SRM. Para muitos, porém, foi a primeira vez que tiveram a oportunidade de conversar sobre os temas de maneira organizada, e na presença de outros pilotos. Curioso também é o fato de que praticamente todo aviador já ouviu falar de CRM, mas só uma minoria conhece ou se aprofunda no SRM. Apesar de contarmos com uma grande frota single-pilot no Brasil, me parece que o tema é pouco difundido por aqui.

O legal de conversar com o pessoal sobre os temas do SRM é que, conforme os pilotos participam, dividindo suas experiências pessoais, a aula vai ficando mais rica em exemplos práticos de situações que envolvem todos os tópicos abordados. Quando um dos pilotos presentes relatou uma situação ocorrida com ele, por exemplo, fizemos um exercício para analisar todo o caso através dos 5 P’s. Vimos, através da análise dos recursos, quais falhas ele havia cometido, que acabaram levando a uma situação de risco. Numa aula de SRM, quanto maior a participação dos envolvidos, melhor o aproveitamento de todos.

Mas afinal, o que é o curso teórico de SRM?

O curso de SRM pode ser feito por qualquer piloto ou aluno, com qualquer nível de experiência. Afinal, nunca é cedo demais para se falar sobre segurança de voo. Aliás, um bom momento para se introduzir o tema aos futuros pilotos é, justamente, na preparação para o primeiro voo solo. Os princípios de gerenciamento de recursos podem (e devem) ser aplicados em todo e qualquer voo, independentemente da fase da instrução em que o aluno está. Inclusive, quando for encontrar, na vida profissional, um curso de CRM pela primeira vez, o piloto já estará bastante familiarizado com os conceitos e técnicas utilizadas.

Mas como colocar em prática os ensinamentos do SRM? Bem, imediatamente após o curso você já pode começar a usar todo o conhecimento para voar de maneira mais consciente, com o máximo de aproveitamento de seu desempenho mental. Uma sugestão: depois de feita a conscientização sobre o assunto em sala de aula, pode-se fazer algumas sessões de SBT (Scenario-Based Training) em simulador, a fim de aplicar os conhecimentos de gerenciamento de recursos em fases normais e anormais de voo. Isso vai ajudar o piloto a fixar melhor o aprendizado teórico.

Na verdade, os conceitos de gerenciamento de recursos se aplicam a todos os voos que fazemos. Basta carregar este conhecimento conosco toda vez que formos sair para voar.

A aula SRM do IPSP é um bate-papo interessante sobre segurança de voo, através do reconhecimento de nossos pontos fracos e fortes, e da conscientização de nossas capacidades mentais. Mesmo para quem já é ligado no assunto, vale a pena participar de um curso sobre SRM ou CRM de tempos em tempos, como forma de atualização ou refreshment. Acima de qualquer outro objetivo relacionado aos voos, nossa missão número um é safety!