Os Serviços Aéreos Especializados definidos no Art.201 do CBAer estão divididos em oito grupos, seis dos quais popularmente conhecidos como SAE/91*, devido ao fato de não estarem vinculados a nenhum regulamento específico além do RBHA-91 (comum a qualquer tipo de operação aérea), e poderem ser prestados com aeronaves classificadas como TPP (transporte aéreo privado). Para estes operadores, não havia uma definição clara sobre como realizar o treinamento de tripulantes, se deveria ser em escola de aviação, em centro de treinamento, ou de alguma outra forma.

Com a publicação da DI-SPO 0006 na IS 00-004E, entretanto, a prerrogativa para ministrar cursos envolvendo Serviços Aéreos Especializados (SAE) ficou formalmente entendida da seguinte maneira:

Os serviços aéreos especializados são regidos pelo RBHA 91 e devem ter seu programa de treinamento aprovado conforme estabelecido no parágrafo 91.5(c) do RBHA 91**.

O operador SAE deve ser capaz de qualificar seus tripulantes de acordo com o tipo de operação a ser conduzida. Considerando que ensino e adestramento de voo são prerrogativas inerentes ao SAE, não existe impedimento para que um operador SAE forneça treinamento para outro operador SAE da mesma categoria.

Ou seja: os operadores SAE/91 não necessitam realizar o treinamento de tripulantes em escola de aviação ou em centro de treinamento, e sim com outro operador SAE/91. Complementa o texto da ANAC que "a utilização de um operador de SAE para prover treinamento para outro operador de SAE tende a incrementar a segurança de voo uma vez que o operador SAE é o ente regulado mais familiarizado com o tipo e as características de operação".

*CBAer - Lei Nº 7.565/1986 (os incisos em negrito compõem o grupo "SAE/91"):

Art. 201. Os serviços aéreos especializados abrangem as atividades aéreas de:

I - aerofotografia, aerofotogrametria, aerocinematografia, aerotopografia;

II - prospecção, exploração ou detectação de elementos do solo ou do subsolo, do mar, da plataforma submarina, da superfície das águas ou de suas profundezas;

III - publicidade aérea de qualquer natureza;

IV - fomento ou proteção da agricultura em geral [regulamentado pelo RBAC-137];

V - saneamento, investigação ou experimentação técnica ou científica;

VI - ensino e adestramento de pessoal de vôo [regulamentado pelo RBHA-141];

VII - provocação artificial de chuvas ou modificação de clima;

VIII - qualquer modalidade remunerada, distinta do transporte público.

**RBHA-91 - parágrafo 91.5(c):

Para aeronaves engajadas em serviços aéreos especializados os tripulantes técnicos, além de satisfazer aos requisitos aplicáveis dos parágrafos (a) e (b) desta seção, devem satisfazer, adicionalmente, aos requisitos específicos requeridos pelo tipo de operação sendo conduzida. Os demais tripulantes necessários ao serviçoespecializado devem ser adequadamente treinados quanto a seus deveres e responsabilidades. O treinamento requerido para execução adequada de um determinado serviço aéreo especializado deve ser proposto pelo operador e aprovado pelo DAC, incluindo aqueles necessários às operações regidas pelos RBHA 133 e 137.