Um “novo” segmento de aviação está surgindo com força no Brasil, operando aviões de pequeno porte (com capacidade para menos de 19 passageiros – na maior parte das vezes, menos de 9), em rotas interiorizadas e pousando em aeródromos pequenos. O mercado está chamando esta operação, regulamentada como táxi aéreo/135, de “sub-regional”, para diferenciar da “aviação regional” que empresas de transporte aéreo regular/121 como Passaredo, MAP e Azul, empresas de transporte aéreo regular/121, realizam com seus ATR‘s e, eventualmente, E-Jet‘s. Em recente artigo publicado no portal Aviação Brasil, quatro empresas com estas características são citadas: Asta, Rima, Rota do Sol e Two Flex Aviation.

De acordo com as Especificações Operativas atualmente aprovadas pela ANAC, a Asta opera somente no Estado do Mato Grosso, com base principal em Cuiabá (vide mapa de rotas acima, reproduzido como um exemplo de como funciona este tipo de aviação), com 3 Caravan; a Rima,  a partir de Porto Velho com 3 Caravan, 3 Seneca, 1 Twin Commander e 1 Mitsubishi MU-2; A Rota do Sol, sediada em Fortaleza, voa com 2 Bandeirante e 1 Seneca; e a Two-Flex, única certificada como operação complementar pela ANAC, é a “gigante” do segmento, com 18 Caravan. No total, são 32 aeronaves que devem estar absorvendo atualmente mais de uma centena de pilotos. Portanto, se esta aviação sub-regional crescer como o mercado espera, é lá que devem surgir boa parte das novas oportunidades para pilotos no Brasil. Fique ligado!