Titus Roos era um sujeito único – “singular, embora estivesse no plural”, como ele próprio dizia. Suas aulas eram artesanato puro, esculpidas a giz em cada aula. Sua didática muito peculiar era eficientíssima – tanto que a maioria nem percebia que ele estava ensinando Matemática (aliás, era absurda sua intimidade com a Geometria). E foi só muito tempo depois de ter sido seu aluno que eu percebi que a Segurança de Voo era seu verdadeiro foco, não a Navegação Aérea. Quem já ouviu “mão nas periquitas” ecoando na cabeça numa arremetida sabe do que estou falando. Com o Titus, a gente aprendia a navegar IFR não para cumprir uma ICA ou um RBAC, mas para “não cair nas garras do Abominável Homem das Neves” e para “não estragar o bumbum que a mamãe passou talquinho”… Era genial!

Mas Titus se foi, infelizmente. Após uma longa luta contra o câncer, o mestre morreu ontem em São Paulo. Vai fazer muita falta para a aviação, muita mesmo! Lamento muito pelos futuros pilotos que não terão a oportunidade de aprender com ele, pois foi um privilégio ter sido seu aluno. O Instituto ParaSerPiloto está em luto.