Eu detesto ser portador de más notícias, mas acho que é melhor discutir o problema do que ignorá-lo. O fato, meus caros e caras, é que não será ainda neste ano que o mercado de trabalho para pilotos brasileiro irá reagir. Apesar da abertura ao capital estrangeiro para empresas de aviação, recentemente aprovada pelo Congresso, isso ainda vai levar um tempo para surtir efeitos reais para a contratação de pilotos em grande escala – o que não impede que as empresas abram processos seletivos ainda este ano, aqui e ali: estou me referindo a contratações de pilotos em volumes consideráveis mesmo. Sobre este assunto, recomendo que leiam a matéria “Volta da aviação aos bons tempos não depende só do capital estrangeiro” publicada ontem na Gazeta do Povo, que está muito bem escrita e fundamentada.

“Quem voa é quem tem renda”, diz uma fonte entrevistada na reportagem (Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos) – e, como se sabe, com o desemprego e o baixo crescimento esperado para 2019, não será neste ano que a renda irá voltar para a população. No fundo, é isso o que importa para que o mercado volte a contratar pilotos: o país precisa reencontrar o caminho da prosperidade. Faço votos que o faça em 2020, pois este ano o que veremos é a repetição de memes irritantes como o que ilustra este post.